Oficinas ofertadas durante o II SIABRALITEC:

 Oficina 1: A LITERATURA INGLESA COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA - Sala 5 - CEGOE

Ayla Maria de Abreu Alves (IFTO, Câmpus Gurupi - ayla.alves@ifto.edu.br)

 

Eixo temático: 6- Literaturas de língua inglesa

O processo de ensino e aprendizagem de língua inglesa no Brasil, mais especificamente no Ensino Básico, converge, geralmente, para aspectos que enfatizam o estudo das estruturas gramaticais, tradução de textos e leitura de textos descontextualizados, ou seja, abordagens que não despertam o interesse pelo estudo da língua inglesa em si mesma e/ou tão pouco pela leitura de textos literários em inglês. Este trabalho é importante porque os professores da área precisam refletir acerca das suas práticas e atentar para a riqueza do universo da literatura inglesa definida por Burgess (1974, p.17) como “um corpo vasto e crescente de escritos constituído pela obra de autores que usam a língua inglesa como veículo natural de comunicação. Em outras palavras, o “inglesa” de “literatura inglesa” refere-se não a uma nação, mas a uma língua”. Isto posto, o objetivo deste trabalho é enfatizar a importância da literatura inglesa e esclarecer que ela pode ser usada como recurso pedagógico, inclusive de forma interdisciplinar. Lazar (2002) pontua razões para se usar a literatura inglesa como recurso pedagógico e linguístico, além de declarar os benefícios desta forma de aprendizado. Nesta pesquisa foi utilizada uma pesquisa do tipo investigativa, por meio de análise documental e bibliográfica, sendo assim, possível verificar que o professor da língua deve refletir constantemente acerca da sua prática pedagógica e atentar para as diversas possibilidades de ensinar inglês, e, inclusive, compreender que é viável ensinar inglês e abordar um conteúdo rico e vasto educacional e culturalmente.

Palavras-chave: Inglês; Professor; Interdisciplinaridade.

Oficina 2: LITERATURA INGLESA: PRÁTICAS POSSÍVEIS NA SALA DE AULA - Sala 25 - CEGOE

Mariana Rocha Santos Costa (IFBA, Câmpus Brumado - maryrochas@gmail.com)

Sheila Rocha Ladeia (IFBA, Câmpus Jequié- srladeia@gmail.com)

 

Eixo temático 6:Literaturas de Língua inglesa

Esta oficina pretende promover discussões sobre a importância da relação interdisciplinar existente entre a literatura e ensino de uma língua estrangeira, mais especificamente, a literatura de língua inglesa, e propor atividades práticas que demonstrem a viabilidade do uso dessa estratégia em salas de aula.  Entendemos que o contato entre língua e literatura é bastante pertinente, pois a obra literária propõe uma imersão no ensino da cultura por meio de um material autêntico, que permite aos alunos compreenderem outras realidades, encorajando-os a discutirem sobre sentimentos e opiniões, expandindo a consciência do idioma. Nosso objetivo é apresentar ao (futuro) professor de Língua Inglesa algumas sequências didáticas que levam a literatura e outras artes para a sala de aula de língua inglesa, aplicando com eles essas atividades e discutindo as vantagens e as dificuldades que elas teriam no contexto real. Ao apontar motivos para que essa prática seja promovida em ambientes educacionais da escola básica e do ensino superior, analisaremos, sob a ótica de Lima (2009), Siqueira (2012) e Rajagopalan (2003), os atuais desafios que um professor de línguas enfrenta e tentaremos pensar coletivamente possíveis soluções para esses entraves. Ainda, vale ressaltar o caráter lúdico e cultural de se trabalhar com literatura no meio escolar. 

Palavras-chave: Literatura; Ensino; Aprendizagem. 

Oficina 3: ENCARANDO DESAFIOS: A LITERATURA DIASPÓRICA SE FAZ PRESENTE NA SALA DE AULA DE LÍNGUA  INGLESA - Sala 26 - CEGOE

Luciano César Alves de Deus (CEFET-MG, Câmpus Curvelo - lucianodedeus@cefetmg.br)

 

Eixo temático:  5- Novas tecnologias aplicadas ao ensino e à aprendizagem de literaturas de língua inglesa

O Ensino de Literatura em Cursos Técnicos é considerado um desafio, pois o interesse dos discentes desses cursos se volta para áreas afins. A situação torna-se mais complexa quando se trata de aulas de Língua Estrangeira, pois a produção literária em acesso pertence a sujeitos de outras nacionalidades e realidades distantes do aluno, o que aumenta o desinteresse pela aprendizagem. A proposta dessa oficina tem como objetivo principal permitir ao professor/docente que reflita criticamente sobre o seu contexto de ensino/aprendizagem de Inglês como LE e que o mesmo perceba que a utilização da  literatura produzida em língua inglesa por escritores brasileiros erradicados no exterior pode criar a ideia de experienciação de sentimentos, valores e costumes, uma vez que a voz poética, em evidência, está mais próxima do aluno por suas raízes. Essa proposta de oficina inicia-se com a produção poética do baiano Natan Barreto, podendo se estender a outros escritores da diáspora brasileira que escrevem em língua inglesa. O estudo dos poemas contempla temas como relações de gêneros, diversidade e inclusão, visando a possibilidade do desenvolvimento de um leitor crítico e reflexivo.    Essa proposta de oficina objetiva que os professores envolvidos na oficina possam, em seus respectivos contextos de ensino/aprendizagem: 1- Relacionar Literatura, Tecnologia e Ensino de Língua Inglesa como Língua Estrangeira (LE) em uma perspectiva crítica para o ensino (FREIRE, 1996); 2- Utilizar as tecnologias e mídias digitais para aumentar a motivação dos discentes a apenderem a língua inglesa (PAIVA, 2011) e 3- Utilizar as tecnologias e mídias digitais para divulgar outros escritores brasileiros (Divulgação do Projeto “Entre-lugares da Literatura da Diáspora Brasileira” - Coordenado por Else R. P. Vieira – Queen Mary University of London).

 

Palavras-chave: Inglês; Literatura diaspórica; Letramento digital.

Oficina 4: INNOVATIVE APPROACHES TO TEACHING AND LEARNING FOR THE DIGITAL AGE - Sala: Laboratório 15 - CEAGRI I - ATENÇÃO: NA QUINTA-FEIRA, INICIA ÀS 16H 

Bill Cope (University of Illinois, Urbana-Champaign, Estados Unidos)

 

Eixo temático: 3- Multiletramentos e letramento visual

 

For three decades and longer we have heard educators and technologists making a case for the transformative power of technology in learning. However, despite the rhetoric, in many ways and at most institutional sites, education is still relatively untouched by technology. Even when technologies are introduced, the changes sometimes seem insignificant and the results seem disappointing. If the print textbook is replaced by an e-book, do the social relations of knowledge and learning necessarily change at all or for the better? If the pen-and-paper test is mechanized, does this change the nature of our assessment systems? Technology, in other words, need not necessarily bring significant change. Technology might not even represent a step forward in education. But what might be new? How can we use technologies to innovate in education? This presentation explores seven affordances of e-learning ecologies, which open up genuine possibilities for what we call “New Learning” – transformative, 21st century learning: 1. Ubiquitous Learning; 2. Active Knowledge Making; 3. Multimodal Meaning; 4. Recursive Feedback; 5. Collaborative Intelligence; 6. Metacognition; 7. Differentiated Learning. These affordances, if recognized and harnessed, will prepare learners for success in a world that is increasingly dominated by digital information flows and tools for communication in the workplace, public spaces, and personal life. This presentation offers a wide variety of examples of learning technologies and technology implementations that, to varying degrees, demonstrate these affordances in action.

 

Keywords: E-learning ecologies; Technologies; New learning; Affordances.

 

Oficina 5: MULTILITERACIES AND “TRANSPOSITIONAL GRAMMAR:” REFRAMING MULTIMODAL MEANING MAKING - OFICINA CANCELADA! TODOS OS INSCRITOS FORAM REMANEJADOS PARA OFICINA 4. 

Mary Kalantzis (University of Illinois, Urbana-Champaign, Estados Unidos)

 

Eixo temático: 3- Multiletramentos e letramento visual

This presentation outlines the key concepts of Multiliteracies, as they have evolved since the mid 1990s. The term “Multiliteracies” refers to two major aspects of language use today. The first is the variability of meaning making in different cultural, social or domain-specific contexts. These differences are becoming ever more significant to our communications environment. The second aspect of language use today arises in part from the characteristics of the new information and communications media. Meaning is made in ways that are increasingly multimodal - in which written-linguistic modes of meaning interface with oral, visual, audio, gestural, tactile and spatial patterns of meaning. In our most recent development of this theory, we propose a “transpositional grammar,” a framework for describing and analyzing different forms of meaning - text, image, space, body, sound and speech. We make the case that across all of these forms, meaning can be expressed in terms of five functions: reference, agency, structure, context, and interest. Not only is this grammar multimodal in its scope. It also suggests a move away from categorically rigid and language-centered understandings of meaning. Transpositional grammar tracks constant movement, recognizing that meanings shift backwards and forwards across the different forms, the one complementing the other for the peculiarities of its media - its affordances. Meanings also shift functionally. A singular instance is always about to become a countable concept. A self-centered “I” is always about to become an empathetic “other.” Entities can be understood in terms of the actions by which they have been constituted. In these ways and many others like them, all the meanings in the world are always on the move. A transpositional grammar sets out to capture the impatience of these movements.

Keywords: Multiliteracies; Transpositional grammar; Meaning.

 

Oficina 6: DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INGLÊS PARA FINS ESPECÍFICOS - Sala de Seminários - CEGOE 

Rosinda de Castro Guerra Ramos (UNIFESP)

 

Eixo temático: 2- English for Specific/Academic Purposes

 

A tarefa de avaliar, adaptar e/ou elaborar material didático (TOMLINSON, 2003; DIAS; CRISTOVÃO, 2009; RAMOS, 2009; PEREIRA; GOTTHEIM, 2013, entre outros) que sejam adequados a um grupo específico ou cursos técnicos /tecnológicos diversos é parte constitutiva da formação de professores (RAMOS, 2010), embora sabido que nem sempre recebe a devida atenção nos cursos de formação. Este workshop tem por objetivo apresentar e discutir questões teóricas e práticas que envolvem as diversas etapas que essa tarefa requesita do professor.  Serão apresentados e discutidos aspectos relativos a conhecimentos e habilidades para a seleção e critérios que envolvem o desenvolvimento de material didático voltados para atender diferentes contextos educacionais e profissionais contemporâneos. Modos que auxiliam a seleção de materiais e a utilização de critérios para adaptação e avaliação de materiais serão acompanhados de ações práticas com os participantes. Sugestões e exemplos para o processo de produção de materiais didáticos, embasados nas concepções de gênero, multiletramentos e educação crítica serão debatidos e discutidos com e pelos participantes. Espera-se que esse trabalho traga reflexões sobre possibilidades e alternativas para a utilização de critérios e procedimentos que envolvem a avaliação, adaptação e produção de material didático para os diversos contextos dos participantes.

 

Palavras-chave: Material Didático; Desenvolvimento de Material Didático; Inglês para Fins Específicos.

 

Oficina 7: NEEDS ANALYSIS AS A PRIMARY RESOURCE TO DESIGN ENGLISH FOR SPECIFIC PURPOSES COURSES -Sala 27 - CEGOE

 

Adriana da Rocha Carvalho (IFCE, Câmpus Horizonte - adrianarcarvalho@yahoo.com)

 

Topic 2: English for Specific Purposes

The goal of this workshop is to offer a fresh perspective on Needs Analysis as a resource to help design English for Specific Purposes (ESP) Courses. As we might know, the design of an ESP course is a challenging task since there are different stakeholders and most of the times the teacher must prepare everything from scratching the first draft to taking the need-analysis research. Obviously, this preparation should start prior to the course, when the teacher takes the role of a researcher to proceed a detailed Needs Analysis (LONG, 2005) having in mind who the stakeholders are. In fact, the ESP teacher has to encompass five main roles in order to design and deliver an accurate course, those roles are: teacher, course designer and materials provider, collaborator, researcher, and evaluator (DUDLEY-EVANS; ST. JOHN, 1998:13). The awareness of those roles combined with the techniques of Needs Analysis provide accuracy as for the ESP course design. Some case studies of ESP courses worldwide developed based on Needs Analysis are going to be presented along with a framework that will facilitate the conduction an accurate Needs Analysis within the range of ESP courses (English for Academic Purposes and English for Occupational Purposes).

 

Keywords: English language; ESP; Needs Analysis.

 

Oficina 8: O USO DO ETEC-IDIOMAS COMO FERRAMENTA PARA ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NO ENSINO MÉDIO INTEGRADO - OFICINA CANCELADA!

Lydia Tessmann Mulling (IFSul, Câmpus Pelotas - lydiatm@gmail.com)

Marta Helena Blank Tessmann (IFSul, Câmpus Camaquã - martatessmann@gmail.com)

 

5- Novas tecnologias aplicadas ao ensino e à aprendizagem de língua inglesa

O objetivo desta oficina é apresentar como o material produzido pelo e-Tec – Idiomas – Inglês tem sido utilizado nas aulas com as turmas de Ensino Médio Integrado. É importante ressaltar que, aliado ao material utilizado em aula, estão os pressupostos do ensino híbrido/ blended learning, que consiste, grosso modo, em mesclar atividades on-line com atividades presenciais de aprendizagem, atividades individuais e coletivas, permitindo assim que “educadores e estudantes ensinem e aprendam em tempos e locais variados.” (BACICH, 2015, p.4). O e-Tec Idiomas – Inglês é um curso on-line, na plataforma Moodle,  composto por 3 módulos. Cada módulo tem 18 lições com atividades gramaticais, auditivas e escritas, com diferencial de uma história em episódios que acompanha o aluno no curso. Nesta oficina serão apresentados os pressupostos teóricos basilares do ensino híbrido, algumas lições do e-Tec Idiomas-Inglês do módulo I, personalização das lições de acordo com a necessidade e possibilidades de cada turma, bem como outras metodologias que podem ser utilizadas em consonância ao curso.

 

Palavras-chave: e-Tec Idiomas; Ensino Médio Integrado; Ensino Híbrido.

 

Oficina 9: CREATING MULTIPLE-CHOICE ENGLISH QUIZZES AND TESTS USING GOOGLE FORMS - Sala 10 - NÚCLEO DE IDIOMAS- CEGOE 

Liberato Silva dos Santos (IFG, Câmpus Goiânia - santos.liberato@gmail.com)

 

 Eixo temático 8: Formação de professores de língua inglesa

English teachers who work at institutions which are a part of Brazil’s Federal Network of Professional, Technical and Technological Education (RFEPCT) need to test their students’ English language abilities at a regular basis to make sure students are making progress. This process can be enhanced if language teachers increase their knowledge of assessment literacy (COOMBE et al., 2007; TSAGARI et al., 2018) and language test development (CARR, 2011) thus contributing to their students’ academic success. Using experiential learning as its methodology (DEWEY, 1938; KOLB, 1984), this hands-on workshop aims at helping RFEPCT teachers use Google Forms to create simple multiple-choice (MC) English language quizzes and tests that students can take using their cell phones or the school’s computer lab. Workshop participants will also learn how to use Google Forms to grade these quizzes and tests and save valuable time in comparison to paper-based grading. Google Forms also provides graphic visualizations that can help teachers see which test questions got the most correct or the most incorrect answers. This type of information may help teachers identify their students’ English language difficulties early on and plan pedagogical interventions. Finally, workshop participants will engage in a brief discussion about student cheating, test safety, and whether or not Google Forms are appropriate for formative and/or summative assessments.

 

Keywords: Assessment Literacy; Language test development; English teacher professional development.

 

Oficina 10: EM BUSCA DE ESPAÇOS PARA INTERAÇÕES PLURILÍNGUES - Sala: 28 - CEGOE

Elisa Seerig (IFRS, Câmpus Bento Gonçalves - elisa.seerig@bento.ifrs.edu.br)

Minéia Frezza ((IFRS, Câmpus Farroupilha - mineia.frezza@farroupilha.ifrs.edu.br)

 

Eixo temático: 5- Novas tecnologias aplicadas ao ensino e à aprendizagem de língua inglesa

 

Educação e tecnologia constituem um binômio inseparável na contemporaneidade (PEGRUM, 2009). Uma das condições básicas para o uso efetivo de tecnologias em salas de aula diz respeito a oportunidades de capacitação do corpo docente (SAMUEL; ZITUN, 2007). De modo a contribuir para essa condição, esta oficina visa descrever e praticar funcionalidades de ferramentas que estão sendo implementadas nas salas de aula de língua inglesa, com estudantes de Ensino Médio do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves e Campus Farroupilha. Essa implementação se deu graças à participação de uma das professoras dessa oficina no Programa de Desenvolvimento Profissional para Professores de Língua Inglesa nos EUA – PDPI, oportunidade na qual a professora entrou em contato com diversas possibilidades de utilização de tecnologia em suas aulas de língua inglesa. O uso de recursos tecnológicos em salas de aula regulares de idiomas permite um melhor gerenciamento do curto tempo disponível em nossas cargas horárias, bem como fornece uma ampla variedade de possibilidades de exercícios a estudantes com diferentes níveis de conhecimento da língua estrangeira. As ferramentas apresentadas na oficina, a saber Quizlet, Socrative, Quizizz, Classdojo e Kahoot, podem também ser utilizadas como recursos mais eficientes de avaliação formal e informal, considerando que docentes de línguas costumam ter um grande número de discentes. Esses recursos poupam tempo e proporcionam um espaço de aprendizagem mais envolvente, tornando os estudantes mais autônomos e colaborativos.

Palavras-chave: Ensino/aprendizagem de idiomas; Tecnologias aplicadas à educação; Autonomia.

 

Oficina 11: FORMAÇÃO INTEGRAL DISCENTE: AVALIANDO COMPETÊNCIAS - OFICINA CANCELADA!

 

Aline de Souza Monteiro (IFRO, Câmpus Calama - aline.monteiro@ifro.edu.br)

Camila Carolina Salgueiro Serrão (IFRO, Câmpus Calama - camila.serrao@ifro.edu.br

 

Eixo temático 7: Métodos e abordagem do ensino de língua inglesa

 

Desafiando a posição tradicional dos atores envolvidos no processo de ensino-aprendizagem, as abordagens Student Centered Learning (WRIGHT, 2011) e Peer Groupement Learning (TOPPING, 2005) formam a base teórica para o desenvolvimento das atividades em uma sala de aula moderna. Elas revisam a posição do docente enquanto detentor do conhecimento, e permitem ao estudante um papel ativo em sua aprendizagem. Aplicando a metodologia ativa (PRINCE, 2004) em sala de aula, torna-se dissonante do aprendizado centrado no estudante descrito por Wright (2011) averiguar o aprendizado do conteúdo através de uma avaliação no estilo prova objetiva. Partindo dessa premissa, propõe-se (re)pensar as estratégias avaliativas atuais de forma a atingir uma nova perspectiva sobre o que é relevante mensurar no aprendizado (EBERLY, 2016). Baseando-se na taxonomia proposta por Bloom (FERRAZ e BELHOT, 2019), propõe-se a criação de uma avaliação por competências (DE KETELE, 2006). Através de um guia de avaliação formado pelas as categorias dos domínios cognitivos contidos na taxonomia de Bloom, lista-se as competências a serem desenvolvidas pelos estudantes, separando-as nos níveis satisfatório, bom e excelente. As habilidades exigidas em cada nível serão propostas pelos docentes de acordo com o que os estudantes de cada série necessitam desenvolver. Como resultado da oficina, espera-se produzir novas propostas de avaliação que oportunizem ao docente olhar o estudante enquanto sujeito em constante formação e seu aprendizado para além dos conteúdos listados na ementa, e que possibilitem ao estudante desenvolver competências que contribuirão para a sua formação integral.

 

Palavras-chave: Avaliação; Competências; Aprendizagem ativa.

Oficina 12: FLIPPED CLASSROOM E PEER INSTRUCTION NO ENSINO MÉDIO INTEGRADO - OFICINA  CANCELADA!

 

Cristiane das Neves das Neves (IFAC, Câmpus Rio Branco - cristianeneves.unesp@gmail.com)

 

 Eixo temático 7 – Métodos e abordagens de ensino de língua inglesa

Trabalhar a língua inglesa na proposta de integração do ensino médio com a educação profissional é um desafio duplo. Como atender tanto à formação específica na área profissional e o preparo para o prosseguimento nos estudos com a carga horária e os recursos disponibilizados? Esta oficina pretende sugerir o Flipped Classroom (SAMS; BERGMANN, 2012) ou sala de aula invertida e o Peer Instruction (MAZUR, 1997) ou instrução por pares com a finalidade de inovar na forma de ensinar os jovens aprendizes do ensino médio integrado de um Instituto Federal. A finalidade é inovar, permitindo maior aproveitamento e envolvimento na aula, explorando a capacidade dos estudantes e desenvolvendo suas habilidades linguísticas, cognitivas e sociais/comportamentais. Apresentarei brevemente a teoria que envolve as propostas metodológicas e compartilharei experiências realizadas. Levarei os participantes a experienciarem o método por meio de atividades práticas e a refletirem como podem aplicar com seus alunos (as) de ensino médio integrado ou até mesmo de cursos subsequentes ou superiores.

 

Palavras-chave: Ensino de língua inglesa; Sala de aula invertida; Educação profissional.

Oficina 13: PROPOSTAS DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE CRÍTICAS E DECOLONIAIS: A ELABORAÇÃO DE PERCURSOS DIDÁTICOS PARA TURMAS DE EJA - OFICINA CANCELADA!

Juliana Paula Squinca (IFG, Câmpus Uruaçu - novacontadaju@gmail.com)

Ricardo Régis De Almeida (IFG, Câmpus Anápolis - ricardo_re12@hotmail.com)

 

Eixo temático: 9 - Descolonialização e o Inglês como Lingua Franca

EJA (Youth and Adult Education) students tend to be seen by their teachers as potentially failed learners in terms of language learning, irrespective of which language we are referring to - first or second. Bearing this colonized assumption in mind, we have been working on different epistemologies so that we can deconstruct this ‘failed idea’. Drawing on studies such as decoloniality (BORELLI, 2018; WALSH, 2017) and post structuralist theorizations (SILVA, 1999; LOPES; BORGES, 2015), we designed this workshop aiming at proposing/problematizing different activities in the format of Percursos Didáticos (SABOTA, 2017) to be worked with EJA students in a way we (both teachers and EJA students) may deconstruct and ressignify our linguistic and teaching/learning practices. Because our proposal and theoretical affiliations do not allow us to predict any results, we assume that the outcomes will emerge from our discussions during the workshop, which we expect to be a moment of problematization, destabilization and movements.

 

Keywords: Decoloniality; Youth and Adult Education; Percurso Didático.

Oficina 14: FERRAMENTAS DIGITAIS PARA AULAS INTERATIVAS E PROJETOS PEDAGÓGICOS - OFICINA CANCELADA!

Maria Aparecida Oliveira Moreira (Colégio Pedro II, Câmpus Tijuca II - aparecidamor@live.com)

 

Eixo temático 8: Formação de professores (de língua inglesa)

As tecnologias digitais podem contribuir para auxiliar o professor a enfrentar os desafios que se apresentam no cenário da educação atual e no ensino de inglês em particular, já que abre a possibilidade de ressignificar a prática docente, transformando o professor-conteudista em professor-interface (GABRIEL, 2013). É crescente o número de recursos tecnológicos que têm como propósito auxiliar o trabalho do professor de línguas. Tais recursos incluem aplicativos de jogos e atividades lúdicas, cujo uso pode contribuir para a aproximação do estudante com o aprendizado (TORI, 2010), como também as ferramentas de autoria e as plataformas colaborativas e multimodais, muito úteis para a construção de projetos pedagógicos que estimulem a autonomia e a criatividade. A oficina aqui proposta tem como objetivo explorar quatro desses recursos, com ênfase no seu funcionamento e nas suas possibilidades de utilização no contexto de ensino de língua inglesa no Brasil. Na primeira sessão do curso, os participantes aprenderão a trabalhar com mapas mentais (GoConqr)  e murais virtuais (Padlet), que podem ser construídos conjuntamente com os estudantes durante as aulas, promovendo assim a sua interação com o conhecimento. A segunda parte do curso irá abordar uma ferramenta de criação de vídeos com animações (Video Scribe) e outra para criação de apresentações do tipo storytelling (Sway), que podem ser empregadas pelos alunos em projetos pedagógicos. Após um breve tutorial sobre cada ferramenta, os participantes irão construir objetos pedagógicos para aplicação em seus contextos escolares.

Palavras-chave: Tecnologia; Ferramentas; Ensino.